Cenário Econômico Brasil, EUA e Zona do Euro

Share:
Indexes
  1. Cenário Global
  2. EUA
  3. Europa
  4. Cenário Doméstico Brasileiro
  5. Inflação
  6. Dólar x Real
  7. Fiscal
  8. Juros
  9. Fontes:

Cenário Global

No radar internacional as preocupações se mantêm no conflito entre Rússia e Ucrânia que se deflagrou no final de fevereiro. Além disso, a possível adesão a OTAN de outros países que fazem fronteira com a Rússia, pode elevar os níveis dos conflitos, com a Rússia alertando a possibilidade posicionar armas nucleares próximo à fronteira. Entretanto, surgiram outros drivers que são pontos de atenção no panorama internacional, como os juros americanos e os lockdowns na China.

Chamando atenção para os lockdowns da China, a produção industrial divulgada nesta segunda feira, dia 16 de maio, apontou uma queda de 2,9%, frente a expectativa de crescimento de 0,4%, o que demonstra o impacto econômico das medidas restritivas. Para corroborar esse fato, as vendas de varejo caíram 11,1%. É bom sempre salientar a importância comercial da China para o Brasil, já que, cerca de 31,3% das nossas exportações, vão para o país asiático, e desse valor a maioria consiste em commodities e alimentos.

EUA

Nos Estados Unidos houve uma mudança de cenário em relação as expectativas do primeiro trimestre do ano. Se no início do ano eram esperadas apenas altas de 0,25 pontos percentuais ao longo do ciclo de alta de juros, hoje, já passamos por uma alta de 0,5 pontos na última reunião, dia 4 de maio. Além de haver uma expectativa de mercado para mais 3 altas de 0,5 pontos, seguidas de altas de 0,25 até o final do ano, cenário impensável antes da guerra.

Devido a esse aumento de juros americano, e a aversão de risco presente nos mercados, principalmente em momentos de incerteza como o que vivemos atualmente, ocorre uma fuga de capitais de países emergentes, considerados mais arriscados, para economias mais de países centrais, como é o caso dos Estados Unidos.

Agora, quando se alia, a aversão a risco com guerras, pandemia e desaceleração econômica acontecendo ao mesmo tempo, com os Estados Unidos subindo a taxa de juros de seus títulos públicos, considerados mais seguros do mundo, isso pode levar a fuga mais intensa de países não tão estáveis quanto os EUA.

Outro fator a ser considerado nesse contexto é a inflação americana que foi divulgada na última semana, dia 10, que demonstrou uma inflação acumulada desacelerando de 8,5% para 8,3%. Entretanto, o núcleo de inflação avançou 0,6% e no mês anterior 0,3%, demonstrando uma inflação ainda persistente, mesmo desconsiderando energia e alimentos.

Ademais, de acordo com dados do Payroll americano, o mercado de trabalho segue proeminente, com índice de desemprego em níveis mínimos, e com excedente de vagas que leva a uma pressão inflacionária sobre os salários.

Dito isso, e levando em conta a fala do presidente do Banco Central Americano de que se os dados exigirem apertos monetários maiores, eles serão feitos, é possível que apertos maiores consequentemente impactarão no Brasil, principalmente no câmbio e na bolsa de valores pela fuga de capitais mais especulativos, também conhecidos como hot Money.

Europa

Na Europa a tensão segue no conflito entre Rússia e Ucrânia, podendo nesse momento ser escalado de uma forma mais intensa. Isso pode acontecer devido a recente solicitação de Suécia e Finlândia para se aliar a OTAN. O porta voz da Rússia já sinalizou que tal medida pode ocasionar na militarização de regiões nas fronteiras e possivelmente posicionamento de armamento nuclear.

Além disso, a Presidente do Banco Central Europeu Christine Lagarde, sinalizou fim do ciclo de recompra de títulos para o início do terceiro trimestre, e que, semanas depois, deve dar início ao ciclo de alta da taxa de juros no bloco europeu. Além disso, outros dirigentes do BCE também sinalizam intenção de aumentar os juros.

Devido a essa conjuntura, é necessário ter atenção no conflito que acontece no continente e a política monetária do Banco Central, já que esses são agentes que influenciam a economia da região de forma mais intensa, além da inflação que ainda se mantém persistente, mas acontece de forma generalizada no globo.

Cenário Doméstico Brasileiro

Inflação

A inflação brasileira conseguiu acumular alta de 12,13% nos últimos 12 meses, patamar só alcançado anteriormente em 2003. Mas olhando para a inflação mensal, é a maior para o mês de abril desde 1996, pouco tempo depois da implantação do plano real.

Os itens mais impactados foram os alimentos e os combustíveis, entretanto, entre os produtos analisados, mais de 78% tiveram alta no período, frente a 75% analisado no mês anterior, o que significa que mais produtos passam por um processo de inflação nos preços. Alimentos e transportes foram os produtos que mais contribuíram com a alta.

Dessa forma, como a inflação se mantem persistente, o Banco Central brasileiro pode tomar medidas mais duras do que o esperado anteriormente para conter o avanço da inflação, elevando juros.

Dólar x Real

Só em maio de 2022 mais de 18 bilhões de reais da bolsa brasileira, refletindo a realização de lucros auferidos durante o ciclo de alta das commodities, além de aproveitar os juros americanos mais altos. Frisando que, num cenário de aversão a risco, os investidores preferem portos seguros, e esse é o caso dos EUA. Por isso os investidores estrangeiros que estavam aplicados aqui, buscando mais segurança, optam por investir em economias mais resilientes e menos voláteis.

Esse movimento de venda de bolsa e compra de dólares para se investir lá fora leva a uma pressão negativa em bolsa, ela cai, e uma pressão positiva no dólar, e ele sobe. E mesmo com o diferencial de juros bem relevante, a segurança dos investidores está falando mais alto.

Fiscal

No cenário fiscal brasileiro existem diversas pressões nesse ano de eleições, devido ao populismo e cumprimento de demandas populares para agradar a base eleitoral. No radar está também a possibilidade de colocar o auxílio emergencial fora do teto de gastos, uma vez que já foi aumentado permanentemente para 400 reais.

Entretanto, devido o a Lei de Responsabilidade Fiscal, e as leis das eleições que proíbem gastos no último ano de mandato, ou gastos sem contrapartida podem proteger erário público. Mas após a aprovação de outras medidas como o aumento do auxílio, intervenção nos preços de energia, e mudança nas alíquotas de combustíveis já passaram, o que deixa em cheque o compromisso de nossos representantes com a responsabilidade fiscal.

Outro ponto de destaque a ser notado é o aumento dado a servidores públicos federais. Só para se ter uma ideia, o Banco Central está em greve e sofremos um apagão de dados econômicos. Foi proposto um aumento de 5% para todos os servidores, o que já estava fora do orçamento. Estava disponível 1,7 bilhão no orçamento, mas para esse aumento de 5% seria necessário pelo menos 6 bilhões, em 2022 e mais de 10 bilhões em 2023.

Dessa forma, o setor fiscal brasileiro, mesmo tendo sucessivos recordes de arrecadação, pode ser pressionado devido as demandas populistas dos governantes visando a reeleição.

Juros

No cenário de juros, nosso Comitê de política monetária, em sua última reunião elevou as taxas de juros em 1%, levando nossa taxa básica para o patamar de 12,75% ao ano. Esse cenário já era o mais provável, entretanto, quando o comitê liberou sua ata verificamos a possibilidade de ajustes adicionais nas próximas reuniões.

O foco de atenção do comitê foram as pressões inflacionárias causadas pela guerra, atenção a pressão inflacionária causada pela reorganização das cadeias produtivas mundiais, as políticas mais contracionistas adotadas por países centrais. E complementando, a desaceleração da China pode pressionar ainda mais a inflação de outros países que dependem da indústria chinesa.

Lembrando que não somente os EUA, como Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia já subiram taxas. E União Europeia já anunciou um início de aumento no terceiro trimestre desse ano, semanas após encerrar o ciclo de recompra de títulos.

Dessa forma, um cenário contracionista no mundo, a desaceleração chinesa, a guerra e reorganização das cadeias produtivas , podem levar a uma pressão maior na taxa de juros brasileira no médio prazo e longo prazo.

Fontes:

https://www.bcb.gov.br/publicacoes/atascopom

https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2022/05/5006678-categorias-do-servico-publico-se-mobilizam-por-reajuste-salarial.html

https://www.infomoney.com.br/mercados/vendas-no-varejo-e-producao-industrial-caem-na-china-em-abril/

https://www.cnnbrasil.com.br/business/inflacao-dos-eua-sobe-03-em-abril-e-desacelera-pela-primeira-vez-desde-agosto/

https://www.cnnbrasil.com.br/business/fed-eleva-taxa-de-juros-dos-eua-em-05-ponto-percentual-para-1-ao-ano/

https://www.cnnbrasil.com.br/business/bc-da-australia-eleva-taxa-basica-de-juros-pela-primeira-vez-em-11-anos/#:~:text=O%20Banco%20Central%20da%20Austr%C3%A1lia,ter%C3%A7a%2Dfeira%20(3).

https://valorinveste.globo.com/mercados/moedas-e-juros/noticia/2022/05/05/banco-da-inglaterra-e-mais-um-a-elevar-a-taxa-basica-de-juros.ghtml

https://istoe.com.br/app-deve-ser-concluido-no-comeco-do-3o-trimestre-diz-presidente-do-bce/

https://istoe.com.br/bce-esta-pronto-para-comecar-a-elevar-juros-em-julho-diz-peter-kazimir/

https://istoe.com.br/villeroy-bce-tera-reuniao-decisiva-em-junho-em-busca-de-normalizacao-monetaria/

https://valorinveste.globo.com/mercados/internacional-e-commodities/noticia/2022/05/16/china-registra-piores-indices-de-producao-industrial-e-consumo-desde-2020.ghtml

https://www.infomoney.com.br/mercados/payroll-eua-abril/